Brasil na rota de fuga de refugiados haitianos

Da Folha de São Paulo, por KÁTIA BRASIL, de Manaus, e FÁBIO FREITAS, São Paulo.

Órgãos dos governos federal e do Amazonas anunciaram nesta segunda (28) ações para beneficiar os migrantes haitianos que ingressaram no Brasil depois do terremoto que devastou o Haiti, em 2010.

Aos menos 1.000 deles devem trabalhar nas industrias da Zona Franca de Manaus.

No dia 16 de março, o Cnig (Conselho Nacional de Imigração), do Ministério do Trabalho, autorizou a permanência por questão humanitária no país de 199 haitianos. Mas ao menos 800 migrantes aguardam a autorização nos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia e São Paulo.

Em fevereiro, o Ministério da Justiça suspendeu a emissão dos protocolos de solicitação de refúgio –documento que os haitianos recebiam ao chegar na fronteira do Brasil–, alegando que detectou uma rota de tráfico humano.

O Conare (Comitê Nacional para os Refugiados) entendeu que o caso dos haitianos não se enquadrava no status de refúgio por se tratar de uma questão humanitária. E repassou a discussão ao Cnig.

Sem os protocolos, 180 haitianos estão barrados em Tabatinga (AM), fronteira com o Peru.

Outros 107 estão irregulares e 33 com autorização provisória em Brasileia (AC), fronteira com a Bolívia.

COOPERAÇÃO

Nesta segunda-feira, o Ministério Público do Trabalho no Amazonas anunciou que firmou um termo de cooperação com a Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), com duração de quatro anos, para empregar nas indústrias ao menos 1.000 haitianos.

“O Brasil demonstra com isso ser solidário à causa dos haitianos”, disse o procurador Audaliphal Silva.

O governo do Amazonas criou uma comissão em parceria com a Pastoral do Migrante da Igreja Católica para oportunidade de trabalho na construção civil (que já emprega 47 migrantes) e qualificação profissional.

A UEA (Universidade Estadual do Amazonas) iniciou cursos de informática, português para estrangeiros e qualificação de pedreiro em edificações.

Segundo a Pastoral do Migrante, em Manaus vivem hoje ao menos 400 haitianos. Eles moram em abrigos da igreja. A superintendente da Suframa, Flávia Grosso, sugeriu a inserção de creches para atender a demanda de crianças e filhos dos haitianos.

Em Manaus, já há os primeiros filhos de haitianos nascidos no Brasil. Marie Monique Semexant, 39, e Anoux Valerius, 40, são os pais de Agnaldo, nascido no dia 4 de março.

Moram em uma casa emprestada por um amigo brasileiro no bairro São Jorge, zona oeste da cidade. “Ele é a esperança de uma vida melhor aqui”, disse Valerius, que deixou três filhos com a família no Haiti.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: