Archive for March, 2011

03/31/2011

Gênio do Facebook de olho no Brasil

Por CAMILA FUSCO, da Folha de São Paulo

Depois de mais de uma década vivendo fora do Brasil e distante do empresariado nacional, o brasileiro Eduardo Saverin, cofundador do Facebook, começa a se reaproximar do país.

Segundo a Folha apurou, o executivo já declarou a amigos próximos o interesse em viajar ao Brasil nos próximos meses em uma missão que vai além do turismo, como fez das últimas vezes -a última delas há dois anos.

Seu objetivo, segundo relatam esses amigos, é analisar negócios de empresas brasileiras iniciantes de tecnologia (“start-ups”), que atraem cada vez mais o interesse de fundos estrangeiros.

De acordo com executivos do setor, a intenção de Saverin é atuar como investidor-anjo, fornecendo capital para empresas com plano de negócio em estágio inicial, em que poderia investir até US$ 1 milhão. A análise porém, está apenas no início.

Divulgação
O brasileiro Eduardo Saverin, cofundador do Facebook
O brasileiro Eduardo Saverin, cofundador do Facebook

A tarefa de convencer Saverin a desembolsar seus dólares, porém, não será fácil. O brasileiro estuda minuciosamente o histórico dos administradores e o potencial de gestão das empresas candidatas a investimento.

No Brasil, Saverin busca projetos de internet que tenham perspectivas de negócio semelhantes às obtidas pela Vostu, empresa de jogos para Facebook e Orkut.

Criada pelo trio de empresários Daniel Kafie, Mario Schlosser e Josh Kushner –egressos do MBA de Harvard, mesma instituição onde Saverin cursou economia–, a Vostu conseguiu em dois anos conquistar cerca de 40 milhões de brasileiros.

No entanto, segundo amigos de Saverin, a Vostu não estaria nos planos de investimentos do brasileiro por estar capitalizada.

Saverin normalmente faz aportes diretos nas “start-ups”, mas não raro encontra outros ex-empreendedores, como na Qwiki, onde é sócio de Jawed Karin, cofundador do YouTube que vendeu o portal ao Google em 2006.

O relacionamento, porém, não é exatamente próximo. “Ainda não tive chance de falar com ele diretamente”, afirmou Karin à Folha, em entrevista por e-mail.

PERFIL

Paulistano, mas criado nos EUA, Saverin ganhou reconhecimento por ter criado, ao lado de Mark Zuckerberg, o Facebook ainda como estudante de economia na Universidade Harvard.

Após disputa judicial em 2005 sobre participação acionária com Zuckerberg -depois de ter sua parte reduzida de cerca de 35% para 5%-, passou a olhar o setor de tecnologia como investidor.

Depois de morar em Miami, Nova York e no Vale do Silício, está baseado em Cingapura, a partir de onde analisa negócios com companhias iniciantes.

RAIO-X DE EDUARDO SAVERIN

IDADE
29 anos

NACIONALIDADE
Brasileiro, mas cresceu nos Estados Unidos

FORMAÇÃO
Economia, em Harvard (2006)

PRINCIPAIS NEGÓCIOS
Petróleo, Facebook, Qwiki (ferramenta multimídia), Anideo (aplicações web) e Jumio (pagamento on-line)

 

03/30/2011

Tomorrow: Brasil em pauta na University of Chicago

O Center for Latin America Studies, da Universidade de Illinois em Chicago, apresentará o seminário “Oil, Euphoria and Brazil’s Future: The Politics of Potential and Limitation”.

O palestrante será Norman Gall.

In English: Norman Gall, executive director of the Fernand Braudel Institute of World Economics, which is engaged in research, public debate and social action on Brazil’s institutional problems, with emphasis on education, energy policy and public finance. Norman received the 2010 Maria Moors Cabot Prize from the Columbia University Journalism School for his 50 years of reporting and research on Latin America.

Mr Gall is the editor of the Braudel Papers, a bi-monthly newspaper of research and opinion, published in English, Portuguese and Spanish.
He has been engaged in reporting and research on Latin America since 1961 with his work appearing in The New York Times, The Wall Street Journal, The Washington Post, The Economist, among others. He has also been consultant to Exxon Corporation (1979), World Bank (1984-85; 1989-90), United Nations (1985), Technoplan (1993).

Será dia 31, próxima sexta-feira, às 17h30, na SS122 – 1126 E 59th St.
The University of Chicago
O evento é gratuito e aberto ao público.

 

03/29/2011

Former Brazil VP Jose Alencar dies at 79

From Associated Press

Former Brazilian Vice President Jose Alencar died Tuesday after a long battle with abdominal cancer. He was 79.

The textile magnate shared eight years of government with Brazil’s first working-class president, Luiz Inacio Lula da Silva, who left office as new leader Dilma Rousseff was sworn in at the New Year.

With Rousseff and Silva on a trip to Portugal, interim president Michel Temer offered his condolences to Alencar’s family, calling the former vice president an example of perseverance and hard work for all Brazilians.

Some Brazilians wept at the steps of the hospital where Alencar had been treated over the years in his ongoing battle with cancer.

“He is a man who lives in the heart of all Brazilians,” presidential secretary Gilberto Carvalho said at a news conference.

The Sirio-Libanes Hospital in Sao Paulo said Alencar arrived on Monday in critical condition. According to the hospital, he died of multiple organ failure while surrounded by his immediate family.

He was sedated and without pain, according to a note released by the Antonio Carlos Onofre de Lira Galvao, head of the medical team overseeing his care.

Alencar underwent 17 surgeries, including one at the Memorial Sloan-Kettering Cancer Center in New York. He had also been treated with an experimental drug at the University of Houston’s MD Andersen Cancer Center.

He won the respect of many Brazilians with candid talk about living with cancer and his promotion of preventive practices that lead to early detection.

Alencar, a multimillionaire businessman, was picked as Silva’s running mate in 2002 in a clear bid to win the support of bankers, ranchers, business leaders, military officers and foreign investors who feared the former trade union leader’s radical leftist past.

Like Silva, Alencar was raised poor; he was the 11th of 15 siblings. While Silva joined the labor movement and toiled as a lathe operator, Alencar built an empire of textile factories and amassed a fortune once estimated at about $200 million.

Silva went on to gain fame as a skillful union negotiator and became the leader of the ruling Workers Party. Alencar eventually turned to politics in the conservative Liberal Party dominated by evangelical Christians. He was elected to Brazil’s Senate in 1998.

Despite their different paths, Alencar was one of Silva’s biggest supporters in Brazil’s contentious political arena, standing by the president during corruption scandals that cost some of Silva’s closest aides their jobs.

He was not afraid to criticize Silva’s policies, however. Early in the president’s first term, he criticized the administration for maintaining interest rates of nearly 27 percent, saying they kept businesses from growing.

Alencar was born Oct. 17, 1931, in the small rural town of Itamuri in Minas Gerais state.

He left home at age 14 to work as a salesman in a dry goods shop and by the time he was 18, he had opened his own store.

In the following years he worked as a traveling salesman, opened and closed a pasta factory and worked as a textile wholesaler.

In 1967 he teamed up with a wealthy businessman in the cotton processing business and founded Coteminas, today one of the largest textile businesses in Brazil.

In 1994 he ran for governor of Minas Gerais but lost, and four years later he won a landslide victory to the Senate.

Alencar is survived by his wife Mariza Campos Gomes da Silva his son Josue Christiano and daughters Maria da Graca and Patricia.

 

Tags:
03/29/2011

Brasil tem a pior e mais cara banda larga

Da Folha de São Paulo, Elvira Lobato, do Rio

Estudo divulgado ontem pela Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) constata que as empresas brasileiras ainda pagam um serviço de banda larga mais caro e de pior qualidade que suas concorrentes dos países desenvolvidos.

Esse quadro permanece, apesar da queda de preços registrada nos últimos dois anos, diz o estudo.

A conexão à internet em banda larga, por cabo, com velocidade de 1 Mbps custa, no Brasil, R$ 70,85 mensais, em média (US$ 42,73).

O mesmo serviço custa US$ 9,30 mensais (R$ 15,41) na Alemanha, US$ 12,40 (R$ 20,55) em Taiwan, US$ 28,60 (R$ 47,40) no Canadá, US$ 36 (R$ 59,66) na Suíça e US$ 40 (R$ 66,29) nos Estados Unidos, diz o estudo.

MINISTRO

O levantamento foi entregue ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, na presença dos presidentes da Oi, Luiz Eduardo Falco, e da Telefônica, Antônio Carlos Valente.

O ministro concordou que os preços são altos e disse que o governo está prestes a concluir um acordo com as teles que vai reduzir os preços e melhorar a velocidade de conexão.

“Não sou só eu. As torcidas do Flamengo e do Vasco também acham que os preços são altos”, brincou o ministro Paulo Bernardo.

Para ele, as empresas podem oferecer serviço melhor e mais barato com a infraestrutura existente, e sem sofrer perdas.

O Ministério das Comunicações incluiu a expansão da banda larga na negociação do novo PGMU (Plano Geral de Metas de Universalização) da telefonia fixa, a ser anunciado em maio.

O estudo da Firjan constata que o custo médio mensal do acesso sem fio à internet, com velocidade de 1 Mbps, está em R$ 109,82 e é relativamente uniforme no Brasil.

Já o custo médio mensal de acesso fixo, por cabo, varia de R$ 57,40 por mês (em Alagoas e Espírito Santo) a R$ 429,90, no Amapá.

Para o presidente da Oi, os números da pesquisa já estariam defasados.

Chama a atenção no levantamento realizado pela Firjan o preço relativamente baixo da conexão com velocidade de 10 Mbps no Brasil (US$ 63,57 mensais, em média, ou R$ 105,40).

A mesma conexão de 10 Mbps custa mais em países desenvolvidos, como Estados Unidos (US$ 100, ou R$ 165,73), Canadá (US$ 88,9, R$ 147,33) e Reino Unido (US$ 82,9, R$ 137,39).

QUALIDADE BAIXA

Responsáveis pelas áreas de informática da Petrobras, Michelin, L’Oreal e Ipiranga criticaram a qualidade do serviço de banda larga das operadoras, durante o debate da Firjan.

A Petrobras disse que investiu na construção de redes de fibras ópticas próprias por falta de opção.

03/28/2011

Brasil na rota de fuga de refugiados haitianos

Da Folha de São Paulo, por KÁTIA BRASIL, de Manaus, e FÁBIO FREITAS, São Paulo.

Órgãos dos governos federal e do Amazonas anunciaram nesta segunda (28) ações para beneficiar os migrantes haitianos que ingressaram no Brasil depois do terremoto que devastou o Haiti, em 2010.

Aos menos 1.000 deles devem trabalhar nas industrias da Zona Franca de Manaus.

No dia 16 de março, o Cnig (Conselho Nacional de Imigração), do Ministério do Trabalho, autorizou a permanência por questão humanitária no país de 199 haitianos. Mas ao menos 800 migrantes aguardam a autorização nos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia e São Paulo.

Em fevereiro, o Ministério da Justiça suspendeu a emissão dos protocolos de solicitação de refúgio –documento que os haitianos recebiam ao chegar na fronteira do Brasil–, alegando que detectou uma rota de tráfico humano.

O Conare (Comitê Nacional para os Refugiados) entendeu que o caso dos haitianos não se enquadrava no status de refúgio por se tratar de uma questão humanitária. E repassou a discussão ao Cnig.

Sem os protocolos, 180 haitianos estão barrados em Tabatinga (AM), fronteira com o Peru.

Outros 107 estão irregulares e 33 com autorização provisória em Brasileia (AC), fronteira com a Bolívia.

COOPERAÇÃO

Nesta segunda-feira, o Ministério Público do Trabalho no Amazonas anunciou que firmou um termo de cooperação com a Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), com duração de quatro anos, para empregar nas indústrias ao menos 1.000 haitianos.

“O Brasil demonstra com isso ser solidário à causa dos haitianos”, disse o procurador Audaliphal Silva.

O governo do Amazonas criou uma comissão em parceria com a Pastoral do Migrante da Igreja Católica para oportunidade de trabalho na construção civil (que já emprega 47 migrantes) e qualificação profissional.

A UEA (Universidade Estadual do Amazonas) iniciou cursos de informática, português para estrangeiros e qualificação de pedreiro em edificações.

Segundo a Pastoral do Migrante, em Manaus vivem hoje ao menos 400 haitianos. Eles moram em abrigos da igreja. A superintendente da Suframa, Flávia Grosso, sugeriu a inserção de creches para atender a demanda de crianças e filhos dos haitianos.

Em Manaus, já há os primeiros filhos de haitianos nascidos no Brasil. Marie Monique Semexant, 39, e Anoux Valerius, 40, são os pais de Agnaldo, nascido no dia 4 de março.

Moram em uma casa emprestada por um amigo brasileiro no bairro São Jorge, zona oeste da cidade. “Ele é a esperança de uma vida melhor aqui”, disse Valerius, que deixou três filhos com a família no Haiti.